Geral

Enel descumpre prazo e diz que 11 mil imóveis seguem sem energia em SP


O presidente da Enel, Max Lins, disse na manhã desta quarta-feira (8), que 11 mil imóveis da Grande São Paulo ainda estão sem energia desde a tempestade da última sexta-feira (3). Segundo ele, o restabelecimento nesses locais deverá ser finalizado ainda hoje. Lins atualizou os números durante coletiva de imprensa na sede da empresa, localizada na zona sul da capital paulista.

O apagão após o temporal que atingiu o estado de São Paulo na sexta impactou 2,1 milhões de pessoas atendidas pela Enel. A empresa tinha informado que restabeleceria o fornecimento até ontem (7), o que não ocorreu.

A Enel informou ainda que vai estudar em um período de 30 dias, a pedido do governo de São Paulo, uma forma de ressarcir famílias mais pobres que tiveram perdas, principalmente de alimentos. 

Em reunião com a concessionária na terça-feira, o Ministério Público de São Paulo (MPSP) propôs um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC). A proposta é que sejam indenizados todos os consumidores que ficaram sem energia elétrica no estado. A empresa tem 15 dias para responder.

Sobre aterramento de fios, a Enel alega que o custo é muito alto e não cabe na conta do consumidor, acrescentando que o programa precisa ser aplicado com prudência, com estudos técnicos, demográficos e ambientais. Do contrário, avalia que é inviável.

Sabesp

Hoje pela manhã, a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) informou que pontos sem energia elétrica afetavam o abastecimento de água em trechos isolados em Cotia e Pirapora do Bom Jesus. A companhia afirma que continua trabalhando de forma emergencial para abastecer os locais críticos com caminhões-tanque.

Câmara

O presidente da Câmara Municipal de São Paulo, vereador Milton Leite, informou ontem que o plenário deve votar nesta quarta-feira a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar o serviço prestado pela Enel na cidade. A próxima sessão plenária está convocada para às 15h de hoje.

O documento que pede a abertura da CPI foi protocolado pelo vereador João Jorge, que criticou o trabalho feito pela concessionária. Ontem, 200 mil imóveis ainda estavam sem energia após a tempestade.

Ações municipais no ABC

O Consórcio Intermunicipal Grande ABC informou que vai cobrar rígida fiscalização e punição sobre as falhas no fornecimento da energia elétrica, de responsabilidade da Enel, em cidades da região após a tempestade do último dia 3. O grupo também solicitará que a empresa apresente um plano de ações aos municípios em caso de episódios semelhantes.

Nesta quarta, o Grupo de Trabalho (GT) Procon Regional deve fazer uma reunião para discutir medidas que os municípios podem tomar de forma conjunta e iniciar um levantamento regional sobre a falha no fornecimento de energia elétrica.

“A entidade regional irá oficiar cobrança de explicações e punições à concessionária a todos os agentes responsáveis pela fiscalização da concessão, como Ministério Público, Agência Reguladora dos Serviços Públicos do Estado de São Paulo (Arsesp) e Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel)”, divulgou o consórcio, em nota assinada por Marcelo Oliveira, presidente do consórcio e prefeito de Mauá.

Ainda de acordo com o grupo, após reunião dos prefeitos com o governo estadual realizada na noite de segunda-feira, junto a representantes da Enel e Aneel, ficou decidido que a empresa tem 30 dias para ressarcir os comerciantes e munícipes que tiveram prejuízos por conta da demora no restabelecimento da energia elétrica nas cidades da região.



Informações: Agência Brasil

Deixe uma resposta