Geral

Grupo vai propor ações de comunicação antirracista no governo federal


O governo federal vai instituir um Grupo de Trabalho Interministerial (GTI) para propor ações, estratégias e orientações para uma comunicação antirracista na administração pública federal. O decreto que institui o grupo será assinado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva na próxima segunda-feira (20), no Dia da Consciência Negra.

O grupo será formado por integrantes do Ministério da Igualdade Racial (MIR) e da Secretaria de Comunicação Social (Secom) e terá 90 dias para elaborar o Plano Nacional de Comunicação Antirracista. O plano reunirá estratégias de promoção da diversidade racial em publicidades e patrocínios do Estado, de diálogo com a sociedade e veículos de comunicação, de apoio técnico a novas diretrizes e políticas voltadas ao tema, de formação para porta-vozes, servidores e prestadores de serviço e de fortalecimento de mídias negras.

A ideia de tratar da comunicação antirracista no governo federal foi uma demanda da Articulação pela Mídia Negra, que reúne representantes de veículos, empresas de comunicação e coletivos liderados por jornalistas negros, e entregou a minuta do grupo de trabalho ao governo. “Apresentamos não só demandas, mas propostas inteiras e completas acerca de diferentes temas que serão trabalhados nesse grupo de trabalho”, explica a coordenadora da Rede de Jornalistas Pretos, Marcelle Chagas.

Ela afirmou ter ficado feliz com a notícia da instalação do GT, mas salientou que é preciso acompanhar o trabalho de perto para garantir a implementação de forma “correta e justa”. “Olhamos com bons olhos, estamos felizes porque é o resultado das nossas ações, mas ainda aguardamos para que elas sejam implementadas de forma plena. Vamos acompanhar até o final para que essa implementação seja de forma plena e para que o governo federal dê respostas a sociedade civil”, aponta Marcelle, que também é uma das coordenadoras da articulação pela Mídia Negra.

Para a ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, o grupo é um passo inicial muito importante para que a comunicação tenha um papel ativo no combate ao racismo. O ministro da Secom, Paulo Pimenta, diz que o governo trabalha para construir propostas que garantam uma comunicação pública mais inclusiva, que reflita a diversidade do povo brasileiro, e não reforce estereótipos ou preconceitos.



Informações: Agência Brasil

Deixe uma resposta