AnimaisSão Sebastião

Tragédia em São Sebastião completa 7 meses e animais continuam a espera por um novo lar

Quatro gatos resgatados com FIV – a AIDS Felina – ainda estão à espera de um lar

Em setembro completam 7 meses da tragédia que devastou o Litoral Norte de São Paulo, em São Sebastião. Além de trazer prejuízos financeiros, com os deslizamentos de terra, também causou a morte de mais de 60 pessoas e destruiu centenas de casas na região.

E uma dessas casas destruídas pertencia a uma acumuladora de animais – nome comumente usado para referir-se a pessoas que sofrem de um transtorno psiquiátrico chamado de Síndrome de Noé, que causa uma compulsão em abrigar mais e mais animais, sem perceber as condições insalubres às quais acumulador e acumulados estão submetidos. 

Tatiana Sales, presidente da ONG Confraria dos Miados e Latidos, afirma que só quem já entrou em uma casa de acumulador consegue compartilhar a sensação: “É muito difícil colocar em palavras. A parte mais impressionante costuma ser o cheiro. Anos e anos de urina e fezes acumuladas, restos de ração e por vezes até corpinhos que não resistiram à disputa pelos poucos recursos. É um cenário devastador.”

Já tendo sofrido uma vez pelo abandono e uma segunda vez ao serem “resgatados” por uma pessoa que não tinha condições de lhes oferecer uma vida digna, um grupo de 17 gatos sofreu um terceiro golpe: se viram do dia pra noite sem um teto e rodeados de água.

Em uma ação coordenada por várias entidades da Proteção Animal, o Grupo de Resgate Animais em Desastres (GRAD) resgatou e deu uma nova chance a essas 17 pequenas vítimas, quase invisíveis em meio a tanta comoção. A professora Vânia Plaza Nunes, presidente e fundadora do GRAD, explica a principal função da entidade. “O GRAD existe justamente com o objetivo de promover ajuda humanitária aos animais e pessoas em circunstâncias de vulnerabilidade em desastres, com equipe técnica qualificada e capacitada para atuar em diferentes situações”. 

Falta de informação sobre a FIV ainda é uma barreira

Dos 17 gatos trazidos pelo GRAD, nove foram assumidos pela ONG Confraria Miados e Latidos. Destes, apenas quatro ainda não ganharam um lar, pois testaram positivos para FIV – a AIDS Felina. “A FIV não é uma sentença de morte. A maioria dos gatinhos chega a viver vidas longas, felizes e saudáveis. Porém, como ela é transmissível, os gatinhos FIV positivos só podem ser doados para lares em que não haja outros gatos negativos para a doença. Isso acrescenta uma camada adicional de dificuldade na hora de promover a adoção”, acrescenta Tatiana, da Confraria dos Miados e Latidos.

Conheça abaixo os quatros gatinhos que sobreviveram ao abandono, uma vida em situação de acumulação, um desastre ambiental e a uma doença crônica – e que agora só precisam de uma família para chamar de sua:

Cabo 70

https://www.miadoselatidos.org.br/product-page/cabo70

Compadecida

https://www.miadoselatidos.org.br/product-page/compadecida-1

Bolinha

https://www.miadoselatidos.org.br/product-page/bolinha

Teperoá

https://www.miadoselatidos.org.br/product-page/tepero%C3%A1

Para adotar um deles, é só escrever para o e-mail queroadotar@miadoselatidos.org.br ou pelo Whatsapp (11) 2341-9870.

Sobre a Confraria Miados e Latidos

Fundada em 2007, em São Paulo (SP), e em 2010, em Nova Friburgo (RJ), a Confraria Miados e Latidos é uma organização sem fins lucrativos que atua no resgate de animais abandonados, com a missão de proporcionar bem-estar e qualidade de vida à maior quantidade possível de cães e gatos. Para isso, a ONG atua com ações de castração, resgate, adoção e conscientização da sociedade através da produção e compartilhamento de materiais informativos, palestras e eventos. Até o momento, já foram resgatados cerca de 4 mil animais, realizadas mais de 3 mil doações e cerca de 15 mil castrações. Para saber mais, acesse www.miadoselatidos.org.br.

Deixe uma resposta